Select Page
Compartilhe: Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on Twitter0Share on LinkedIn0

O sakê é uma bebida tradicional japonesa consumida em ocasiões solenes, ritos religiosos xintoístas e também em momentos informais. Existem até mesmo cerimônias próprias para seu consumo. Portanto, ele já é parte da cultura japonesa. Neste artigo vamos falar sobre essa bebida que é sucesso não só no Japão, mas em todo o mundo. Confira!

Qual a origem do sakê?

Acredita-se que a bebida surgiu no século IV d.C, após o Japão iniciar o cultivo de arroz em grande quantidade. Nessa época a China era a grande produtora. Os japoneses passaram a utilizá-lo como base da alimentação e até hoje ele é um dos produtos mais consumidos e cultivados no país.

A bebida se originou do processo de fermentação usando apenas água e arroz. Segundo a cultura popular, sua primeira fermentação foi por acaso, em um barril de arroz mal vedado no qual entrou água. Por isso, bem no começo, o sakê era quase um mingau alcoólico.

Embora não possa se precisar a data de surgimento da bebida, um dos marcos na sua produção foi o início de sua confecção na cervejaria no Palácio Imperial de Nara, quando esta era a capital do Japão entre 710 e 792 d.C. Quando o posto passou para Kyoto, no período histórico japonês seguinte, a bebida já tinha status nobre e passou a ser consumida quente.

Foi, principalmente, com a abertura dos portos japoneses no século XIX e com as migrações japonesas que a bebida começou a ganhar o mundo. O Brasil, um dos países que mais recebeu imigrantes, adquiriu o gosto pela bebida.

Com o passar dos séculos, as técnicas de produção foram se aprimorando até chegarmos à bebida que temos hoje.

Como a produção do sakê evoluiu ao longo da história?

Antes da Segunda Guerra Mundial, mesmo com as variações de receitas entre os inúmeros concorrentes, a bebida era feita unicamente de água e arroz. No entanto, com a Segunda Guerra e a escassez de arroz, o sakê passou a levar outros aditivos — como fermentos, glicose e álcool puro — para baratear o custo de produção e diminuir seu tempo de preparo.

Mas a base do preparo da bebida ainda é a mesma. São utilizados água — em grande quantidade — arroz cozido no vapor e o koji, que é o arroz já fermentado. O Koji foi introduzido na produção no século XIV como uma inovação, pois era fermentado em separado. Isso fez com que a bebida passasse de um mingau alcoólico para algo mais próximo do que temos hoje. Misturados e filtrados em intervalos regulares, esses principais ingredientes fizeram surgir essa excelente e tradicional bebida.

Um dado interessante é que o sakê, também no século XIV, passou a ser pasteurizado, pois empiricamente percebeu-se que o processo matava um elemento prejudicial à bebida. Isso foi séculos antes de Louis Pasteur descrever cientificamente o processo de pasteurização.

O resultado disso é que hoje, feito a partir da fermentação do arroz, o sakê é uma bebida com teor alcoólico entre 16% e 18%. Seu processo de fabricação leva de 23 a 37 dias no total e, depois disso, ele é deixado em descanso por um período aproximado de 6 meses, quando se acrescenta água pura.

Agora que você aprendeu sobre a origem do sakê, que tal nos contar sobre a sua experiência com a bebida? Deixe um comentário!

Compartilhe: Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on Twitter0Share on LinkedIn0